ENI e Anadarko já tem contratos para construção de terminal de GNL

O Governo e os consórcios de exploração dos blocos dois e quatro da Bacia de Rovuma liderados pelas multinacionais ENI e Anadarko assinaram, esta Quinta-feira, em Maputo, contratos de concessão de instalações de descargas de materiais e terminal marítimo de Gás Natural Liquefeito, na península de Afungi,  em Cabo Delgado.

A assinatura daquele contrato foi precedida da assinatura de licenças de concessões especiais, entre as duas multinacionais (ENI e Anadarko) e os Ministérios da Terra, Ambiente e Desenvolvimentos Rural, dos Transportes e Comunicação e o de Mar e Águas Interiores. As licenças de concessão especial visam permitir o arranque dos trabalhos nas áreas marítimas e terrestres abrangidas.

Com a assinatura daqueles contratos está dado o passo decisivo rumo a tomada da decisão final de investimento que vai colocar Moçambique no topo dos grandes produtores de gás no Mundo, pois vai permitir o desenho, construção e operação de um terminal marítimo.

Falando na ocasião, a Ministra dos recurso Minerais e Energia, Letícia Klements reiterou o compromisso do governo em promover uma exploração dos recursos minerais em benefício do povo, através da sua transformação local, ao mesmo tempo que jura que vai garantir que o conteúdo local seja incorporado em todos processos de transformação do GNL.

Por seu turno, o representante da multinacional americana Anadarko, John Grant disse estar confiante que a assinatura daqueles contratos seja crucial para a tomada, por parte da Anadarko e ENI, da sua decisão final de investimento.

"Gostaria de reafirmar a minha confiança de que este trabalho será bem sucedido e que a industria de LNG em Moçambique será líder mundial", garantiu Grant.